Sábado, 20 de Outubro de 2012

Reis de Jerusalém: Disposição das Cruzetas

Reis de Jerusalém

 

A Torre de Godofredo

Uma vez que justificámos a presença das cruzetas, é tempo agora de determinar o motivo da sua configuração e aperfeiçoar a definição do número respectivo. As fontes mostram várias quantidades ao longo do tempo; é razoável supor que não existisse disponível para as parofonias nenhuma exigência rigorosa e de aplicação universal. Foi possível, contudo, fundamentar o arranjo e o número tomando-se como ponto de partida a Torre de David.

Acreditava-se que a Torre de Phasael estivesse na antiga cidadela do Rei David, designada em sua homenagem graças a esta confusão, como Torre de David. Godofredo de Bulhão usou a Torre como seu palácio e esta situação manteve-se até 1104, quando a Cúpula do Rochedo transformou-se em residência real; ambas apareceriam em peças numismáticas locais. A Cúpula foi dada à Ordem do Templo em 1119 e os reis mudaram-se então para um novo palácio, próximo à Torre de David.

 

Vizinhos mas não Residentes

Em conformidade, o emparelhamento denominante ~ designante estabelece-se com: en Tur (fra. em Torre) ~ entur (fra. à volta). Empregou-se a preposição en em lugar de dans la (Tur) ou en la (Tur) porque deveria referir um estado ou uma situação, em vez de uma localização dentro do mencionado edifício; exemplificamos ainda com en prison e dans la prison. De facto a Torre de David refere não só a torre como também a cidadela onde foi construído o terceiro palácio dos Reis de Jerusalém.

Poderá ter actuado acessoriamente como um tributo heráldico tardio a Godofredo, mas prevalece o conceito da residência num bairro chamado Torre de David onde viveu o primeiro Rei a usar estas armas. Assim, não podemos inferir desta representação heráldica da Torre que as armas foram concebidas durante a vida do Protector do Santo Sepulcro, a menos que documentação convincente apareça para provar o oposto. Mesmo depois de perder a sua condição de paço, a construção ainda aparece durante muito tempo nas moedas dos sucessores de Godofredo. O estudo do sexto nível reforçará os indícios desta relação.

 

Sem Metonímias

As metonímias são necessárias em especial quando o significado do designante é visualmente inadequado ou a etapa de especificação é impotente para decidir entre as opções disponíveis.  Aqui não ocorrem metonimizações; o conceito de “à volta” é mais do que suficiente para os objectivos do delineamento heráldico: temos apenas de considerar as peças de que dispomos. O designante entur refere portanto que algo, entendido como as cruzetas, deve circundar uma outra entidade, interpretada como a cruz. Não existem outras figurações presentes e o inverso seria inviável.

O termo “entre”, saído do escasso vocabulário do brasonamento, é desajeitado mas engenhoso, a declarar que as cruzetas devem ser colocadas a intermediar cada dois braços adjacentes na cruz. Deixa o restante da estrutura para os complementos heráldicos de modo a alcançarem-se os resultados visuais definitivos.

 

Um Quadrado à Volta

As considerações acima e o visível, embora aparente, contacto físico entre todos os cinco elementos não expõem, possivelmente, uma construção semântica primitiva mas a consequência de outras necessidades fundamentais que apenas surgirão explícitas no quinto nível. Já sabemos que as primeiras versões conhecidas das cruzetas não tocam a cruz maior, ao invés disso estão espalhados ordenadamente pelos cantões. Nesta fase pode-se constatar que as cruzetas estão adjacentes à cruz mas uma vez concluído o desenho do brasão o seu aspecto vai alterar-se: as quatro figurações menores estarão situadas no meio dos cantões de uma cruz potenteia.

Referimos ainda outras complementações mais evidentes: o preenchimento será regulado pela dimensão das cruzetas a pelo espaço deixado livre nos cantões; quanto à simetria dependerá das diagonais que passam pela intersecção dos braços centrais e, simultaneamente, da própria cruz. O centro do escudo regrará a centralidade do grupo de cruzetas como já fez para a cruz, organizando uma espécie de quadrado imaginário que passa através dela.

 

Organizem-se as Cruzetas

Devemos distinguir agora três circunstâncias distintas para as características complementares das cruzetas. A primeira já foi abordada no último nível semântico onde a orientação e a simetria referiam-se aos componentes próprios a cada cruzeta. A segunda trata da sua situação isolada com respeito ao espaço envolvente. Uma terceira considera como todas as cruzetas irão relacionar-se em conjunto com os outros elementos e com o escudo. Há uma quarta situação, a incluir um componente suplementar camuflado, que será conhecida posteriormente.

Para mostrar com maior clareza a estrutura semântica seria preciso distinguir a posição e a disposição ao brasonar, como se mostra na tabela abaixo. O problema é que a disposição está incorporada no sentido de “entre” enquanto que, ao mesmo tempo, os quatro elementos menores são obstruídos pela peça principal. O brasonamento não permitirá descrever a situação com o termo “dois e dois”, previsto para contiguidades repetitivas. Em consequência, imaginou-se uma descrição alternativa que pudesse adaptar-se a esta circunstância pela junção de um “+” ou “mais” sempre que exista um espacejamento mais extenso ou outros elementos inseridos entre peças idênticas alinhadas na horizontal. Daí, o arranjo que se considera actualmente seria descrito abreviadamente como “um mais um e um mais um” ou “1 + 1 e 1 + 1”.

 

Quatro ou Mais

Vimos que até agora não houve necessidade de substanciar um número preciso de cruzetas no brasão e, de facto, elas surgem de modo distinto nos documentos mais antigos. Como ignoramos o aspecto exacto da primeira de todas as descrições das armas de Jerusalém, é possível que um entendimento posterior atribuísse algum significado àquelas quantidades dissimilares, ou mesmo conformassem-se com um arranjo coerente ao incluir um referente adicional, ou até deixando tudo à mercê do efeito de avaliações pragmáticas que não interferissem parofonicamente com os traços heráldicos correspondentes.

Entretanto, o limite inferior para a quantidade de cruzetas foi alargado. Enquanto que cions garantia ao menos dois elementos, entur acrescentará mais duas unidades a esta restrição. A cruz possui quatro reentrâncias entre os pares de braços adjacentes e cada uma deve estar provida de uma cruzeta ao menos; essas quatro são o mínimo suficiente para preencher o perímetro. Atingimos assim o número visível na representação clássica que estamos a estudar e talvez sejamos tentados a abandonar outras quantidades por injustificáveis.

             

Tantas Quantas Sejam Necessárias

No começo, a noção de “rebentos” desencadeou o aparecimento de outras versões para as armas de Jerusalém, com catorze ou quinze cruzetas. Poderíamos explicá-los como os três Evangelistas ulteriores ao enredo heráldico mais os doze Apóstolos, incluindo-se aí João e Matias, ou contando-se apenas onze Discípulos à data da crucifixão no caso das catorze cruzetas. Ademais, não seria difícil de imaginar as cruzetas dispostas à volta da cruz do Mestre como seguidores a ouvir as suas palavras, mas já assumiu-se que Ele estava definido no enredo visual como um cadáver. Talvez a ideia inicial não fosse tão específica e contasse as ditas quantidades indistintamente como uma multidão, a Igreja. 

A reunião dos conceitos formais gerados pelas quatro parofonias iniciais Ézéchias ~ Exequies, Jérusalem ~ Je ruse la haine, Sion ~ Cions e en Tur ~ entur está presente na maior parte das variedades conhecidas das armas de Jerusalém: uma cruz rodeada por cruzes menores. Os níveis que se seguem terão sido um acréscimo eventual e posterior ou constituiriam uma disposição alternativa dos elementos, a desconsiderar algumas das suas características anteriormente definidas. Continuaremos com a justificação da existência estrita de apenas quatro cruzetas e a conformação simultânea da típica cruz potenteia que todos conhecemos.

 

Reis de Jerusalém - Disposição

Reis de Jerusalém (IV)

Classificação Descrição
Armas de Domínio R Reis de Jerusalém
Residência M em Torre (de David)
Língua de Conquista V Francês
Denominante A en Tur
Grafemização A  E  |  N  |    |  T  |  U  |  R 
Fonemização denominante A  ã  |  t  |  u  |  R\ 
Emparelhamento A  ã  |  t  |  u  |  R\ 
A  ã  |  t  |  u  |  R\ 
Coeficiente de transposição A 0,0 |0,0 | 0,0 | 0,0 
Coeficiente de carácter A 0,0 |0,0 | 0,0 | 0,0 
Coeficiente de posição A 0,0 |0,0 | 0,0 | 0,0 
Parcelas A 0,0 |0,0 | 0,0 | 0,0 
Índice de discrição A k = 0,0
Fonemização designante A  ã  |  t  |  u  |  R\ 
Grafemização A E | N | T | U | R
Designante A entur
Geometria E à volta
Monossemia simples S entre
S entur
Esmalte H De prata
Número H uma
Figuração H cruz
Aspecto H potenteia
Esmalte H de ouro
Localização H cantões da cruz entre
Simetria C diagonais radiais
Preenchimento C área dos cantões
Disposição H à volta (1 + 1 e 1 + 1)
Simetria C cruz
Centralidade C abismo
Número H quatro
Figuração H cruzetas
Esmalte H do mesmo

 (próximo artigo nesta série V/XII)



Publicado por 5x11 - Carlos da Fonte às 17:47
Link do Artigo | Comentar | Favorito
| | Partilhar
Sábado, 13 de Outubro de 2012

Reis de Jerusalém: Cruzetas

Reis de Jerusalém

 

Monte ou Cidade?

O par homofónico Sion (fra. Sião) ~ Cions (fra. rebentos) está entre as melhores parofonias encontradas nas Armas de Jerusalém. Foi perturbador achar uma conexão tão óbvia ao Reino, traduzindo-se em componentes visuais também evidentes, sem que nunca esta tenha chamado a atenção dos heraldistas de modo a considerarem-se as armas como falantes. Talvez não estejamos a ser razoáveis e alguém algures terá notado esta associação.

Não sabíamos se a metonímia do referente Sion, contígua ao Rei de Jerusalém, referia-se a Sião, ou seja à cidade de Jerusalém, ou ao Monte Sião ao sul da cidadela. Havia alguma confusão sobre a verdadeira localização daquele Monte e o seu relacionamento com o paço real dos cruzados, reflectindo-se na pesquisa do sentido da palavra usada para estabelecer os componentes heráldicos.

Assim que a resposta foi encontrada, foi necessário aumentar o número de níveis semânticos de dez para doze, acrescentando-se a residência real, ficando agora claro para nós que o denominante Sion representa a cidade de Jerusalém. Voltando ao denominante anterior Jérusalem, o qual também ignorávamos se estava ligado ao Reino ou à cidade, sabemos agora com segurança que se trata de uma metonímia referente do tipo territorial.

 

Simetria Grega ou Latina

Uma cruz grega organizaria melhor a simetria e é a forma mais simples possível no conjunto daquela classe de figurações. As cruzetas partilham a forma com a figuração principal mas numa escala diminuta, quase num padrão fractal; permitiriam a acomodação das suas cópias em qualquer um dos quatro cantões. Em contraste, uma cruz latina seria capaz de acolher perfeitamente bem os seus clones nos cantões inferiores mais alongados mas não nos cantões quadrados superiores, ou vice-versa, dependendo do seu tamanho relativo.

As diagonais de cada cantão ajudam a centrar a localização de cada cruzeta, mas este aspecto complementar da heráldica não é o motivo principal por detrás desta disposição, que será completamente justificada no próximo artigo. Relativamente à mesma questão enfatizamos o facto fundamental de que uma cruzeta grega (G) permanece a mesma a cada rotação de 90º em torno do seu centro ou reflectida através da direcção das hastes ou através dos eixos bissectores, preservando a invariância do conjunto de pontos e definindo um grupo de oito simetrias no plano. Uma cruzeta latina (L) permanece a mesma para a permutação identidade e para a reflexão através das hastes verticais. Consequentemente, apenas o primeiro móvel é capaz de assegurar um arranjo simétrico harmonioso de vários elementos, como se verá no artigo a publicar em seguida.

G L - rotação horária de 0º (identidade)

G - rotação horária de 90º

G - rotação horária de 180º

G - rotação horária de 270º

G - reflexão através dos braços horizontais

G L - reflexão através dos braços verticais

G - reflexão através do eixo a 45º

G - reflexão através do eixo a 315º

 

Bem Parecidas

Contudo, ainda se admite qualquer tipo de cruz nesta conjuntura, desde que todas compartilhem a mesma forma e mantenham a simetria radial. Como em qualquer acto replicável, devemos estar preparados para aceitar que algumas representações serão distintas das intenções primitivas e não seguirão as determinações parofónicas ali estabelecidas. Além disso, não estamos certos se o armigerado alguma vez conheceria estas regras parofónicas. Emitir moedas ou selos com base em descrições como “de prata uma cruz potenteia de ouro entre quatro cruzetas do mesmo” poderia ocasionar equívocos infelizes, arruinando discretamente partes cruciais do significado.

Há um exemplo heráldico similar e curioso onde está envolvida a coincidência de formas mas na direcção inversa, o sentido aparece a partir das imagens no brasão como desenvolvimento pragmático. Para as armas de Jerusalém deduzimos a similaridade partindo da parofonia. No caso do terceiro quartel das armas modernas de Aragão, mostrando quatro cabeças de mouros, acreditamos que a semelhança das figurações foi a razão principal para descreverem-se os naturais de Aragão como maños (ara. irmãos). Outros exemplos de símbolos territoriais usados em alcunhas estão disponíveis na nossa dissertação em Pragmática e Justificações.

 

A Ciência dos Cions

Considerando-se a flexão plural cions, esta indica mais de um elemento, enquanto que, por exemplo, a tradução inglesa offspring já não o faz. Trata-se de um outro tipo de problema que devemos enfrentar. O significado parofónico intencional será certamente único, mas não o método escolhido para transmiti-lo. Além do mais sabemos que, mesmo para a mesma língua, a passagem dos anos dotará a maior parte das palavras com distintas formas lexicais ou significados. Quando o investigador aplica uma língua inteiramente distinta para tentar reproduzir as condições iniciais nem sempre é viável manter todas as subtilezas da semântica correspondente.

Note-se que o designante cions não especifica aonde devemos posicionar as cruzetas. Apenas sabemos que não estão isoladas, devido ao sufixo, e todas serão semelhantes, se bem que menores do que a cruz central. Nada de mais específico é dito sobre a sua quantidade e onde jazerão no que diz respeito à figuração principal e ao campo. Apesar de quaisquer argumentos em contrário, uma interpretação correcta poderia muito bem mostrar apenas duas cruzetas por cima da cruz, pelo menos como as coisas se apresentam neste momento. Por certo, se nada mais existisse na parofonia que nos auxiliasse a compor as figurações, outras normas heráldicas complementares ajudar-nos-iam a obter uma resultado adequado, talvez próximo à representação vista ao alto desta página.

Por fim, o termo cion é um substantivo mas não assegura nada de concreto que possa materializar-se sobre o escudo que temos diante de nós, devido ao carácter simbólico do seu análogo de maior dimensão. A acepção usual que sobreviveu em francês, scion, implica apenas a ideia vegetal de um rebento enquanto que a denotação genealógica de scion em inglês como herdeiro ou descendente, embora tardia, preserva melhor as raízes do seu significado primitivo em francês, similar ao português.

 

Metonimização e Oposição

Podemos deduzir duas metonimizações de tudo o que se disse. As quantidades ainda não estão inteiramente envolvidas por agora, já que apenas podemos justificar duas escassas cruzetas. Veja-se que não ocorre aqui uma imitação, traço heráldico complementar desprovido da correspondência parofónica a montante; um bom exemplo deste fenómeno é a cruz de pé apontado que aparece nas armas de fantasia de Jerusalém no Zürcher Wappenrolle.

Poderia ademais ser considerada uma oposição, definida por “grande × pequeno”, mas sem qualquer consequência nos traços heráldicos, que derivam o tamanho relativo a partir do designante. Tudo o que se pode definir no presente nível é a motivação da emergência das cruzetas no que se refere à forma e dimensão desde cions através de um par de metonímias simples:

rebentos > filhos > irmãos > parecidos

rebentos > filhos > pequenos

 

Quatro Membros e um Corpo

O relacionamento com as “exéquias” parece ter desaparecido por agora, mas os próximos níveis mostrarão que a cruzetas estão integradas num significado mais abrangente, que concluirá com a viabilização completa do cenário previsto para estas armas. Há uma passagem nos Evangelhos que poderia dar apoio a um papel prematuro das cruzetas como componente do enredo:

1 Coríntios 12:12,27 “De facto, o corpo é um só, mas tem muitos membros; e no entanto, apesar de serem muitos, todos os membros do corpo formam um só corpo. Assim acontece também com Cristo ... Ora, vós sois o corpo de Cristo e sois Seus membros, cada um no seu lugar

Não se introduz nada de radicalmente novo no aspecto formal, apenas consideram-se as cruzetas como extensões do corpo de Jesus, já representado pela peça principal. Provavelmente este sentido estabelece-se pela adjacência das figurações mais pequenas à personificação de Cristo como cruz. Em qualquer caso não consideramos este arranjo como determinante; outras representações aceitáveis e consistentes das armas de Jerusalém incluem cruzetas separadas.

Não devemos ainda concluir que as cruzetas pertençam ao epitáfio gravado sobre a lápide juntamente com a cruz. Não são apenas desiguais em tamanho, número e posição mas também equivalem a um outro artefacto feito de outro material. De resto, a cruz e as cruzetas não dispõem dos seus esmaltes, estes surgirão apenas no último nível referente a Jerusalém. O que importa assinalar é que já se encontrou a incorporação adequada para a primeira, a cruz actua como um epitáfio sobre uma sepultura, enquanto que as cruzetas preencherão as lacunas do seu sentido por inteiro no sexto nível. De momento são cruzes simbólicas que repetem o segundo nível semântico sem qualquer conexão visual óbvia ao enredo exequial.

 

Reis de Jerusalém - Cruzetas

Reis de Jerusalém (III)

Classificação Descrição
Armas de Domínio R Reis de Jerusalém
Capital M Jerusalém
Língua de Conquista V Francês
Denominante A Sion
Grafemização A  S  |  I  |  O  |  N 
Fonemização denominante A  s  |  j  |  Õ 
Emparelhamento A  s  |  j  |  Õ 
A  s  |  j  |  Õ 
Coeficiente de transposição A 0,0 | 0,0 | 0,0 
Coeficiente de carácter A 0,0 | 0,0 | 0,0 
Coeficiente de posição A 0,0 | 0,0 | 0,0 
Parcelas A 0,0 | 0,0 | 0,0 
Índice de discrição A k = 0,0
Fonemização designante A  s  |  j  |  Õ 
Grafemização A C | I | | O | N | S
Designante A Cions
Humano E rebentos
Monossemia simples S cruzetas
S cions
Esmalte H De prata
Número H uma
Figuração H cruz
Aspecto H potenteia
Esmalte H de ouro
Localização H entre
Número H quatro
Metonímia simples S rebentos > filhos > irmãos > parecidos
Metonímia simples S rebentos > crianças > pequenas
Figuração H rebentos cruzetas
Simetria C radial
Orientação C imanência
Esmalte H do mesmo

(próximo artigo nesta série IV/XII)


Publicado por 5x11 - Carlos da Fonte às 13:33
Link do Artigo | Comentar | Favorito
| | Partilhar
Quarta-feira, 3 de Outubro de 2012

Reis de Jerusalém: Cruz

Reis de Jerusalém

 

Amor e Ódio

A representação escolhida para o segundo nível semântico - a cruz principal - provavelmente foi o primeiro elemento a aparecer nestas armas, não uma cruz potenteia mas uma cruz simples, fosse ela firmada ou solta. Na verdade não sabemos muito sobre sinais similares que se usassem numa alusão cristã à Cidade Santa em época proto-heráldica. É bem possível que cruzes estivessem incluídas nessa ilustração eventual mas duvidamos que a parofonia pudesse desempenhar ali qualquer papel, pelo menos na forma descrita abaixo. Talvez Jesus e os quatro Evangelistas ou as Cinco Chagas do Senhor pudessem explicá-las com outra fundamentação; de facto são apontadas frequentemente como motivos credíveis para as armas que estudamos.

O significado constrói-se a partir da parofonia: Jérusalem (fra. Jerusalém) ~ Je ruse la haine (fra. Eu afasto o ódio). A denotação de ruser/reuser mudou ao longo dos anos. Hoje significa “iludir” ou “enganar” mas naquela época e ambientação, ruse deveria ser interpretado como “repilo”, “rechaço” ou “afasto”. Ademais, a intransitividade de ruse não permite, tanto quanto saibamos, Je ruse a la haine e o carácter aspirado do “h” inicial, impede Je ruse l'haine.

A etapa de especificação (E) define uma nova tipologia. Desta vez não se apresentam substantivos, acções, quantidades ou qualidades isoladas mas uma frase a traduzir-se visualmente como um todo. Funciona como uma citação ou, tendo em conta a ambientação exequial já estabelecida em Ézéchias ~ Exequies, como um epitáfio. De momento classificaremos este género de especificação em “outros”, aguardando por mais ocorrências que fundamentem uma classe própria.

 

Transposição Fonémica

Finalmente estamos em condições de apresentar um exemplo da transposição de fonemas durante a acomodação (A); inclui-se no emparelhamento de [ZeryzalEm] ~ [Z@R\yzlaEn]. Trata-se de uma importantíssima ferramenta parofónica, dando liberdade ao autor de usar apenas sons idênticos ou similares que trocam de lugar no vocábulo sempre que estritamente necessário. Note-se que para fins de cálculo procederemos de início à transposição [al] ~ [la] com a sua penalidade associada, o coeficiente de transposição t = 1. Aplicamos depois todas as penalizações restantes, ou seja, as modificações qualitativas nos fonemas, com os seus coeficientes de carácter c, de acordo com os respectivos posicionamentos no interior da palavra, medidos pelos coeficientes de posição p.

As discrepâncias entre os fonemas [e ~ @], [r ~ R\] e [m ~ n] são relativamente ligeiras e talvez não possam ser justificadas com o índice de discrição resultante, que se eleva a k = 0,50. Enquanto a modelização não substituir esta medida por outra mais eficaz devemos sujeitar-nos a tais desvios. O estabelecimento das penalidades é grosseiro e quase arbitrário mas a sua associação propicia um efeito dicotómico conveniente para auxiliar a nossa tarefa.

 

Sublimação e Oposição

Preparamo-nos agora para responder à pergunta - Quem é o defunto? Como todo o ser humano eventualmente morre, buscaremos alguém cuja morte tenha sido relevante para a história ou para a tradição, de tal modo que pudesse ser lembrado pelos cruzados ou por quem quer que contemplasse as armas dos Reis de Jerusalém. Carece ainda recordar aqui o fenómeno da sublimação, onde só a representação de maior estatuto aufere o significado. Isto acontece com o vago felino de Katzenelnbogen, tempestivamente transformado num feroz leão. Procuramos, portanto, uma individualidade assinalável.

Jerusalém deve estar envolvida de algum modo nas “exéquias” e a referida personalidade não opor-se-á ao lado cristão, já que inexistem motivações visuais no brasão que suponham o contrário. Poderá parecer uma incongruência heráldica mas exemplificamos com as armas de Portugal: os escudetes dispostos em cruz são entendidos de hábito como cinco inimigos, reis Mouros derrotados por D. Afonso Henriques. Resta dizer que o resultado visual deste segundo nível necessita combinar satisfatoriamente com o primeiro nível: um túmulo em pedra.

 

Quem é Amor?

Em relação ao nível semântico actual, Je (fra. Eu) poderia personificar a pessoa falecida ou o próprio escudo a título de individualidade falante, como o que se viu em Danubius ~ Da nubis. É bem claro para nós que a segunda opção é inviável aqui. Daí que a frase em questão representasse, no pior dos casos, alguém que se soubesse ter reproduzido em vida o significado de Je ruse la haine. Mais adequadamente ao nosso enredo, a expressão precisa estar associada com a sua sepultura por meio de um epitáfio irreal mas plausível, a resumir os incidentes de toda uma existência.

Observamos uma oposição implícita em Je ruse la haine onde o ódio é confrontado por algo que se interpreta como o seu oposto, o amor, que por sua vez incorpora-se em alguém ainda desconhecido. Contudo, esta oposição não surge explicitamente nos traços heráldicos (H). Como resultado, o conjunto de associações {exéquias, Jerusalém, cristão, eminente, sepultura, epitáfio, oposto ao ódio} produziria apenas uma pessoa: Jesus Cristo. De facto, os Evangelhos sublinham a importância deste conceito em Jo 13, 34: “Dou-vos um mandamento novo: amai-vos uns aos outros. Assim como Eu vos amei, também vós deveis amar-vos uns aos outros”.

Observe-se que não foi necessário aplicar o forte poder identificativo da cruz em todo o raciocínio. Por seu lado, os autores das armas não tinham qualquer obrigação heráldica de adoptarem uma cruz na sua simbologia, tratando-se de uma mera consequência parofónica. Isto não implica a sua dispensa como indício por nós interpretantes, que dependemos do caminho inverso ao da criação. Entretanto, a nossa abordagem de cariz oportunamente didáctico servirá para mais situações.

 

Metonimização

As metonímias emergem para admitir a conversão da nossa frase inspiradora numa cruz. Não é tão simples como possa parecer, a despeito de todos os argumentos que já avançámos. Em lugar da confusa reunião de conceitos vista mais acima, necessitamos agora de uma sequência ordenada de ideias que irão fixar a estrutura de sematização (S) de modo seguro. Apenas termos inequívocos, como o numeral gerado por Seint ~ Cinc, estão habilitados a prover uma transcrição imediata em traços heráldicos; não é o caso aqui.

Jesus era visto como o Cordeiro de Deus sem pecado, sacrificado na cruz pelo amor dos homens. Encontramos a convergência numa cruz heráldica através da composição de duas metonímias que incluem as ideias opostas de amor e ódio, respectivamente implícito e explícito em Je ruse la haine:

Jesus > amor > morrer > sacrifício > cruz

pecado > ódio > matar > punição > cruz

Uma outra metonímia composta e convergente irá relacionar-se com o primeiro nível semântico, estabelecendo uma ligação entre as duas etapas. Principia com a temática anterior, as exéquias e o túmulo, ocupando-se então com a substituição do designante na forma de um epitáfio - Je ruse la haine - por fim simbolizado pela cruz; alegoria corrente nas lápides cristãs. Em simultâneo vemos a cruz contígua a Jesus, uma associação cultural indiscutível. Pareceria quase redundante referi-lo mas devemos consciencializar-nos de que esta metonímia é específica à representação do próprio Cristo nas armas de Jerusalém e não uma alusão genérica ao túmulo de um cristão:

exéquias > túmulo > epitáfio > cruz

Jesus > cruz

 

Contradições

Abordaremos agora as representatividades complementares destes símbolos e dos seus supostos fundamentos. As acepções encontradas entram em conflito com a luta dos cruzados? Primeiro de tudo, não sabemos exactamente quando as armas nasceram, de modo que pudéssemos detectar todas as fontes específicas de inspiração. Mas é verdade que a guerra, defensiva ou agressiva, acompanhada pela violência, foi uma circunstância constante na efémera vida do Reino. Como poderiam os cruzados reconciliar isto com os ensinamentos pacíficos do Nazareno?

Os aspectos incidentalmente religiosos desta génese heráldica não nos podem desorientar; eles representam os responsáveis políticos de Jerusalém mas por mero acaso. Para mais, a guerra medieval era amplamente aceite e entendida como uma necessidade e mesmo um dever para os cristãos, incluindo-se aí a Santa Sé. Neste contexto, ruse (fra. afasto) poderia ser concebido ainda como o combate ou o banimento dos inimigos dos Reis de Jerusalém, hostis portanto a qualquer cristão. O conflito com a nossa proposta para a expressão parofónica apenas mostra que a concepção e a evolução do significado são duas coisas distintas, nem sempre permeáveis entre si em todos os aspectos.

Além disso, o verbo está no tempo presente - Eu afasto o ódio - conotando a ressurreição e a vida eterna de Cristo. Também não contradiz a nossa afirmação anterior referente à manutenção da Sua condição de morto no enredo heráldico. Referíamo-nos então à directa sugestão parofónica de todos os traços visuais. Obviamente, uma infinidade de conotações e desenvolvimentos semânticos são possíveis a partir dali. Mas alguns deles, que nos sentimos obrigados a citar, são mais adequados e imediatos do que os demais.

 

Cruz Firmada ou Grega

Empregamos uma cruz grega em vez de uma cruz firmada na nossa exemplificação figurativa porque é a melhor maneira de mostrar a evolução conjectural dos sinais exibidos pelos Reis de Jerusalém. À partida não há nenhuma razão especial para acreditar que a cruz firmada pudesse ter um significado distinto da cruz grega. A primeira aparece efectivamente em armoriais durante um período em que as composições geométricas eram preferidas pela heráldica. A cruz firmada é mais simples e seria por certo uma escolha permanente se outros constituintes não afectassem a seguir a sua forma. Esta peça fundamental deverá ter actuado como um símbolo de Cristo e não como um artefacto, manifestamente durante os primeiros anos. Conheceremos ainda um segundo entendimento da cruz também usada pelos Reis de Chipre, que favoreceram uma figuração solta.

Inspirações viáveis e inclusivas de um tipo diferente poderiam ser a cópia da Vera Cruz desenhada sob a forma de uma cruz latina ou a imitar a tampa de uma sepultura. Esta última seria quase necessariamente afectada pela lápide do Santo Sepulcro, que já se dizia estar em más condições já no século XI. Presumimos que a laje original foi substituída ou oculta na sequência das modificações realizadas na edícula.

Os traços complementares (C) governam as características que não se justificam por quaisquer proposições semânticas. Para a cruz principal vemos a incidência ordinária da centralidade no abismo bem como a orientação horizontal e vertical ou a simetria radial que são imanências da cruz em grau diverso. A largura dos braços também sofre o efeito de traços complementares. Além da natural conservação da espessura ao longo das quatro hastes, as proporções relativas devem ser suficientes para admitir, por exemplo, algumas cruzetas no espaço restante. Haverá mais comentários a fazer sobre a interferência mútua dos níveis semânticos, mas serão tratados noutros artigos mais adequados a cada caso.

 

Reis de Jerusalém - Cruz

Reis de Jerusalém (II)

Classificação Descrição
Armas de Domínio R Reis de Jerusalém
Territorial M Jerusalém
Língua de Conquista V Francês
Denominante A Jérusalem
Grafemização A  J  |  E  |  R  |  U  |  S  |  A  |  L  |  E  |  M 
Fonemização denominante A  Z  |  e  |  r  |  y  |  z  |  a  |  l  |  E  |  m 
Emparelhamento A  Z  |  e  |  r  |  y  |  z  |  a  |  l  |  E  |  m 
A  Z  |  @  |  R\  |  y  |  z  |  l  |  a  |  E  |  n 
Coeficiente de transposição A 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 1,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 
Coeficiente de carácter A 0,0 | 0,5 | 0,5 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,5 
Coeficiente de posição A 0,0 | 1,0 | 1,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,5 
Parcelas A 0,0 | 0,5 | 0,5 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,3 
Índice de discrição A k = 0,50
Fonemização designante A  Z  |  @  |  R\  |  y  |  z  |  l  |  a  |  E  |  n 
Grafemização A J | E | | R | U | S | E | | L | A | | H | A | I | N | E
Designante A je ruse la haine
Outros E Eu afasto o ódio
Monossemia simples S cruz
S je ruse la haine
Esmalte H De prata
Número H 1 uma
Metonímia convergente S exéquias > túmulo > epitáfio > cruz
S Jesus > cruz
Metonímia convergente S Jesus > amor > morrer > sacrifício > cruz
S pecado > ódio > matar > punição > cruz
Figuração H Jesus cruz
Simetria C radial
Orientação C imanência
Centralidade C abismo
Aspecto H potenteia
Esmalte H de ouro
Localização H entre
Número H quatro
Figuração H cruzetas
Esmalte H do mesmo

(próximo artigo nesta série III/XII)



Publicado por 5x11 - Carlos da Fonte às 18:08
Link do Artigo | Comentar | Favorito
| | Partilhar
Todos os direitos reservados
© Carlos Carvalho da Fonte 2009-2017
Portugal Brasil Download Universo Amostral Jerusalem
Portucalis Portingale Salerno Sagremor Eduardo


Logo Território Logo Hidrónimo Logo Capital Logo Moradia
Logo Demónimo Logo Família Logo Antropónimo Autor

Pesquisar este blogue

 

Academia.edu



Twitter


Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
19
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


Temática

alemão

análise

anglo-normando

antropónimos

aparência falante

apresentação

aragonês

armas falantes

asturiano

baixo-alemão

basco

bibliografia

brasil

capitais

castelhano

catalão

cifra

condições

d. manuel i

demónimos

dinastia

discussão

disposições

domínio

eclesiástico

eduardo

empresa

esmaltes

estoniano

eventos

família

fantasia

figurações

francês

frísio

gaélico escocês

galego

gascão

grego

hidrónimos

holandês

inglês

irlandês

italiano

jerusalém

latim

leão

leonês

lígure

lombardo

macau

metodologia

moradias

municípios

nível falante

número

occitano

picardo

placentino

portugal

português

recursos

sagremor

salerno

separações

sigilografia

terminologia

territórios

timbre

universo amostral

vexilologia

todas as tags

Arquivo Mensal

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011


cyndis list


blogs SAPO

subscrever feeds

shopify analytics tool