Sábado, 2 de Junho de 2012

Objecção IV - Armas falantes ou parofonia heráldica?

P: Armas falantes e parofonia heráldica serão conceitos incompatíveis?

R: O conceito de parofonia heráldica foi desenvolvido expressamente na nossa dissertação de modo a se poder estimar os fenómenos em análise e formular uma hipótese que auxiliasse aos seus objectivos. A necessidade de definir esta ideia com maior precisão derivou da insuficiência descritiva dos fenómenos heráldicos análogos: as armas falantes e os rébus. A tendência geral dos heraldistas tem sido de caracterizá-los por meio de conceitos similares: o trocadilho, a analogia ou a alegoria; mais evidentes nos casos de identificação perfeita entre o que se descreve e o que se desenha no brasão. Lembramos, pois, como definimos a parofonia heráldica:

Associação, por correspondência fonética, entre a designação de um ou mais elementos visuais heráldicos originais, o designante, e a denominação, directa ou indirecta, do referente do brasão, o denominante.

Note-se, em primeiro lugar, que se introduzem as indispensáveis definições subsidiárias do denominante e do designante, já que são estes os elementos que delimitam a acção "falante". Neste tipo de armas o denominante pode equiparar-se ao título do brasonamento, mas verificámos, mais tarde, o alargamento da sua extensão aplicativa. Já o designante pode ser identificado com a descrição do desenho no texto do brasonamento. Assim, o denominante Leão, do título Rei de Leão, é "falado" pelo designante leão, que se brasona: De prata um leão de púrpura.

Em segundo lugar apresenta o conceito de correspondência fonética entre o denominante e o designante. Ao invés das nebulosas analogias ou trocadilhos, aplicámos um princípio mensurável: os fonemas deveriam possuir uma associação biunívoca num e noutro elemento. Esta correspondência é definida na etapa de acomodação e por fim avaliada através do cálculo do índice de discrição, que ajudará a decidir da razoabilidade de se considerarem como parófonos o denominante e o designante.

Em terceiro lugar os elementos visuais das armas, o seu desenho e esmaltes, devem ser os primitivos, ou seja, os que lá foram postos aquando do estabelecimento de cada brasão. Não se podem incluir na análise parofónica ou, pelo menos, não é possível analisar segundo uma óptica falante, as armas herdadas, acrescentadas, adulteradas, etc. A ocasião bem determinada do nascimento de um brasão delimitará também, entre outros, o ambiente cultural, genealógico e histórico, especificando deste modo as línguas, as tradições heráldicos, os domínios territoriais, as influências políticas, etc.

Em quarto lugar o denominante, aquilo de que se fala, não se reduz ao título do brasonamento, sujeito aos caprichos da mão de quem o escreve, mas a algo semelhante, o referente, em estreita relação com o significante que encarna a simbolização do referente, o brasão. O caso mais usual de referente é o primeiro possuidor das armas, existem, contudo, outros géneros mais impessoais: os referentes institucionais, na heráldica das ordens militares, os profissionais, nos escudos das guildas, os eclesiásticos, nas armas diocesanas.

Finalmente, a denominação do referente não será, de hábito, a repetição do próprio, ou seja, o seu nome, mas uma outra denominação intermediante que surge por metonimização, constituindo uma ligação entre o referente e o denominante. Por se tratar de uma metonímia estabelece-se por contiguidade semântica, de tal modo que podemos, decerto, associar um conde ao nome do seu condado, mas também à localidade onde tinha residência ou aos vassalos de quem era senhor. E são estas metonímias que irão transformar-se em designante e depois em desenho e cor através dos processos linguísticos de verbalização, acomodação, sematização e especificação, que não importa agora pormenorizar.

As concepções tradicionais assumem também, por vezes, que a peça "principal" do escudo é a única imagem necessária e suficiente para caracterizar as armas falantes. Para além dessa principalidade ser um conceito bastante subjectivo, caberia ainda perguntar por que razão as peças "secundárias" ou mesmo os esmaltes deveriam estar excluídos destas considerações. No que se refere aos últimos, têm sido mencionados amiúde como falantes na literatura especializada; uma vez que se admitiu esta possibilidade não poderemos excluir terminantemente outras ocorrências no sistema heráldico, seja ele o tradicional ou o parofónico. Quanto às peças "secundárias" existem numerosos exemplos do seu uso nos rébus, bem esclarecedores deste ponto e remetendo para a mesma conclusão lógica da argumentação antecedente. Nos estudos que realizámos encontraram-se várias dezenas de parofonias em correspondência com os esmaltes ou com as ditas peças.

A fonte de inspiração para as armas falantes clássicas mostrou ser muito limitada. Quase todas, repetimos,  aludem à menção explicitada na descrição jurisdicional ou familiar: O leão (llión) do Reino de Leão (Llión), as palhas (pallas) do Condado de Pallars (Pallars), o monge (Mönch) da cidade de Munique (München), as cabras da linhagem dos Cabral. A nossa pesquisa abalou esta presunção ao permitir-nos adaptar uma estrutura semiótica à heráldica, com exemplos manifestos do uso do nome de cidades, de orónimos, hidrónimos, etnónimos e antropónimos, além das clássicas denominações territoriais, nem por isso maioritárias. Estes usos parecem transcender as classificações jurisdicionais e tendem a manter-se coerentes, sejam impérios ou modestos senhorios.

Outra limitação, que nos parece mais artificial, seria a língua usada pelos autores das armas: se o brasão estivesse em França, usar-se-ia o francês, se em Espanha, o espanhol, se na Inglaterra, o inglês. Mas as coisas passavam-se de outro modo há mais de seiscentos anos atrás. Como se poderá ver no artigo Objecção II - O Uso do Latim, não existe nenhuma razão aceitável para excluir esta língua dos usos heráldicos primitivos. O latim correspondeu a 17% das parofonias encontradas nas amostras da dissertação e a noção dessa influência tem vindo a aumentar com o decorrer das pesquisas. O mesmo se pode afirmar das línguas, hoje minoritárias, que então eram geralmente compreendidas e aceites nos seus lugares de origem ou, em contraste, apenas por uma minoria que detinha o poder. O anglo-normando, conforme o que se averiguou, era a língua parofónica de eleição nas Ilhas Britânicas, produzindo quase 11% das parofonias por nós apresentadas. Não há outro modo de se compreender a mentalidade que construiu as armas falantes, senão transportarmo-nos à época em que foram feitas, muito distinta da actual em todos os aspectos.

Concluímos, portanto, que não é possível compatibilizar o ponto de vista convencional sobre as armas falantes e a parofonia heráldica. Isso não quer dizer que não se possam empregar conceitos e vocabulário comuns, uma vez que descrevem ambos os mesmos factos heráldicos. A principal diferença será que, enquanto o primeiro admite um extensão muito limitada do fenómeno, talvez 15% das armas antigas sejam tidas por falantes, a parofonia heráldica aventura-se a admitir que a maioria, senão mesmo quase todas as armas primitivas medievais obedeciam em maior ou menor grau às leis da parofonia.



Publicado por 5x11 - Carlos da Fonte às 16:50
Link do Artigo | Comentar | Favorito
| | Partilhar
Quinta-feira, 16 de Fevereiro de 2012

Objecção III - O Papel da Tradição Narrativa

P: Por quê a tese parece contrariar a tradição narrativa heráldica?

R: Nunca esteve nos meus horizontes a análise específica e aprofundada deste problema, que considero algo a jusante dos objectivos da tese, até porque esta dúvida não será propriamente uma objecção fundamental. A tradição neste caso é o relato de um acontecimento passado que umas gerações vão transmitindo a outras sucessivamente, até aos dias de hoje. Não se tratam de factos comprovados cientificamente como verdadeiros, mas podemos considerá-los em alguns casos como fontes documentais subsidiárias, a maior parte das vezes com grandes reservas. Ao revivê-los, especialmente se directamente afectados por eles, somos tentados a ignorar que estes legados sofreram a decrepitude imposta naturalmente pelo tempo. Seria natural esperar que a memória de episódios de há muitas centenas de anos tenham sido alteradas em maior ou menor grau, quando não passaram mesmo a pertencer ao domínio da fantasia. Constatamos como outra ciência auxiliar da História, a Genealogia, baseia muitas vezes as suas narrativas fundacionais em actos ousados, generosos, galantes ou até mesmo testemunhando a intervenção divina para justificação da nobreza de cada linhagem. É bem verdade que não são tidas em grande conta pelos próprios genealogistas mas por alguma razão esta apreciação parece alterar-se quando o assunto em discussão é a heráldica.

O nosso posicionamento não será tão severo como no primeiro caso, nem tão benevolente como no segundo. Julgamos que toda a narrativa tradicional associada a um brasão deva estar sempre bem presente no estudo da pragmática construída à volta de cada criação armorial; muitas vezes é o único elo que nos resta para além dos traços heráldicos. Porém isso não quererá dizer que se lhe devam atribuir foros de premissas incontestáveis. Apesar de tudo, um número bastante razoável de armas analisadas e comparadas com aquelas narrativas apresentou pontos de contacto manifestos. O estado presente da investigação permite aconselhar e incentivar o estudo desses pontos de contacto de modo a poder considerá-los mesmo como justificativas que reforçam as nossas hipóteses. Mas nenhum dos casos em estudo permite garantir um acordo próximo do absoluto entre os factos narrados e a semântica da respectiva construção armorial feita segundo a nossa metodologia.  

 

D. Afonso Henriques


Ademais, os mecanismos expressivos são bem distintos. O modelo parofónico procura uma explicação metodológica, em que cada uma das explicações dos traços visuais se fundamenta num reduzidíssimo número de proposições metonímicas, aplicáveis a qualquer caso. Os modelos tradicionais, por sua vez, usam todos os recursos da língua para expor uma história, verídica ou não, ajustada aos componentes de cada brasão.

Resumindo, ao aceitar-se a tese que proponho, esta representaria, na verdade, a recuperação de uma tradição que se perdeu ou deturpou com o tempo. Não se poderá dizer, portanto, que contrarie a tradição mas apenas que apresenta uma nova versão da verdade dos factos. E como, quando desconhecemos a verdade absoluta, ela nem sempre é uma só, afirmamos apenas que, em média, os resultados da tese discordam em boa parte das versões tradicionais que a antecederam, apesar de concordarem com elas em alguns pontos particulares.


Temática:

Publicado por 5x11 - Carlos da Fonte às 17:31
Link do Artigo | Comentar | Favorito
| | Partilhar
Terça-feira, 27 de Dezembro de 2011

Objecção II - O Uso do Latim

P: Como se justifica o uso do latim nas parofonias heráldicas?

R: À primeira vista parece injustificável a utilização do latim medieval na heráldica, uma vez que não há menção do seu uso em quaisquer armas falantes. Convém, contudo, esclarecer que a “decisão” de classificar um brasão primitivo como falante, ocorre muito depois do mesmo ter sido criado. A sensibilidade do classificador era afectada por expectativas e condicionantes que, quase certamente, excluíam o recurso a uma língua estranha à própria nas suas cogitações. Não nos esclarece sobre as intenções ou conformidades dos restantes brasões, ainda se na área de influência limitada de cada um, possa ser coerente, pela maior parte, com a interpretação do método parofónico aqui proposto.

Temática: ,

Publicado por 5x11 - Carlos da Fonte às 09:57
Link do Artigo | Comentar | Favorito
| | Partilhar
Domingo, 13 de Novembro de 2011

Objecção I - Besantes em Pinha


P: A existência dos besantes "em pinha", no mesmo período abrangido pelo estudo, não inviabializa a proposta ali defendida?

R: Os escudetes ditos pelo Barão Pinoteau "em cacho" ou "em pinha", caracterizam-se por aglomerados de besantes dentro do escudo, em número claramente superior aos onze usuais. O facto de existirem, por si só, é uma contradição ao que se propõe na tese, o que posso aceitar. Já não concordo que isso inviabilize a solução que apresentei. Não tratando estes estudos de ciências exactas mas de ciências humanas, outros factores devem, inevitavelmente, ser levados em consideração.


Publicado por 5x11 - Carlos da Fonte às 12:47
Link do Artigo | Comentar | Favorito
| | Partilhar

Todos os direitos reservados
© Carlos Carvalho da Fonte 2009-2017
Portugal Brasil Download Universo Amostral Jerusalem
Portucalis Portingale Salerno Sagremor Eduardo


Logo Território Logo Hidrónimo Logo Capital Logo Moradia
Logo Demónimo Logo Família Logo Antropónimo Autor

Pesquisar este blogue

 

Academia.edu



Twitter


Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
19
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


Temática

alemão

análise

anglo-normando

antropónimos

aparência falante

apresentação

aragonês

armas falantes

asturiano

baixo-alemão

basco

bibliografia

brasil

capitais

castelhano

catalão

cifra

condições

d. manuel i

demónimos

dinastia

discussão

disposições

domínio

eclesiástico

eduardo

empresa

esmaltes

estoniano

eventos

família

fantasia

figurações

francês

frísio

gaélico escocês

galego

gascão

grego

hidrónimos

holandês

inglês

irlandês

italiano

jerusalém

latim

leão

leonês

lígure

lombardo

macau

metodologia

moradias

municípios

nível falante

número

occitano

picardo

placentino

portugal

português

recursos

sagremor

salerno

separações

sigilografia

terminologia

territórios

timbre

universo amostral

vexilologia

todas as tags

Arquivo Mensal

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011


cyndis list


blogs SAPO

subscrever feeds

shopify analytics tool