Terça-feira, 25 de Setembro de 2012

Reis de Jerusalém: Esmalte Prata

Reis de Jerusalém

 

As Doze Portas de Jerusalém

Após termos efectuado cinco análises exemplificadoras da heráldica de fantasia, começamos agora um novo capítulo ao introduzir estas armas de domínio do Reino medieval de Jerusalém. Por armas de domínio entendemos quaisquer armas heráldicas que representem a propriedade pessoal e transmissível de um território secular. Acomoda senhorios, condados, ducados, reinos e impérios entre outros do mesmo género.

Para nossa surpresa encontrámos doze níveis semânticos, os quais parecem actuar diversamente de acordo com a apreciação primitiva de cada variante. Mais do que a quantidade, o que nos causa admiração é a simplicidade formal capaz de produzir um resultado semântico tão fértil. Além disso, não só os traços heráldicos podem ser explicados de mais de uma maneira, como também sugerirão que estes níveis organizaram-se em diversa medida ao longo do tempo, a confiar nas fontes. Esta densificação da estrutura do significado será difícil de ultrapassar no futuro por outro brasão.

Embora incorporando duas referências dissimilares - uma para Jerusalém e outra para Chipre - preferimos tratá-las como uma representação única e manter o título convencional, mencionando as armas como correspondentes apenas aos Reis de Jerusalém. Aparentemente, a mudança foi gradual e conservou a maior parte dos valores semânticos iniciais.

 

Primeiras Iluminuras

Aparecem logo em meados do século XIII na Historia Anglorum de Mateus de Paris, onde se vê uma cruz em prata firmada sobre um campo de ouro, lembrando a morte de João de Brienne, Rei Consorte de Jerusalém, em 1237[1]. A Rainha Maria faleceu em 1212 e João deixa a coroa para a filha de ambos, Isabella, e vai reger o Império Latino. O autor também admite para aquele Rei os mesmos esmaltes e cruz porém  esta cantonada por quatro, quatro, três e três cruzetas[2][3]. A inconsistência cromática das delgadas cruzetas castanhas pode ser explicada pela necessidade de fazê-las em pequena dimensão, usando para isso a mesma pena que se utilizou para delinear os escudos e outras formas. Ademais, o uso de metal prateado no castelo de Castela na mesma página levanta a suspeita de alguma negligência no uso dos esmaltes.

Outros armoriais apresentam variações sobre o tema principal, o número de cruzetas varia e a cruz central, de formas variadas, podendo permutar os esmaltes com o campo. De modo a simplificar a organização deste artigo serão adoptadas as armas tradicionais dos Reis de Jerusalém: de prata uma cruz potenteia de ouro cantonada de quatro cruzetas do mesmo. Parece ser a interpretação que dá melhor uso à maior parte dos níveis semânticos em discussão. Outras composições podem ser encarados como versões incompletas, tratadas no corpo do texto sempre que oportuno.

Será possível tomar como verdadeiras estas armas do Reino de Jerusalém e confiar inteiramente nas fontes, até quando secundárias ou terciárias? Não é esta a nossa tarefa; apenas propomos soluções para a origem parofónica das formas e cores observadas nos brasões. Veremos contudo que até composições muito simples poderão acomodar-se confortavelmente no enredo heráldico que explorámos.

 

As Moedas Precursoras

A numismática poderia parecer mais ilustrativa, já que se conhecem moedas de reinados mais antigos em Jerusalém, com a vantagem de uma identificação contemporânea confiável. Infelizmente estes hábitos pictóricos parecem ser distintos dos usados na heráldica. Mas isto não implicará que a parofonia esteja ausente, uma vez que é mesmo atestada nas primeiras cunhagens feitas pelo homem. Sabemos que não foi uma prática sistemática, coexistiu com inscrições, monogramas, efígies, imagens arquitectónicas e outros símbolos. Os seus referentes e metonímias provavelmente serão distintos, daí que este problema necessite de uma verificação aprofundada para melhor entendimento.

No que se refere ao nosso tema, aparecem no reverso das moedas a Torre de David e a Igreja do Santo Sepulcro, enquanto uma cruz, talvez de uso genérico e indiferenciado, é vista no obverso[4]. Por sua vez. os reis de Chipre e Jerusalém usaram o leão de Lusignan ou a cruz potenteia. Tentaremos considerar atempadamente como a heráldica e a numismática poderão convergir e auxiliar a nossa investigação.

 

Um Rio Oculto

O francês seria uma escolha óbvia como língua de conquista para a fase de verbalização. A maior parte dos cruzados era francófona e muitos dos governantes que estabeleceram o seu poder na Terra Santa pertenciam à mesma esfera linguística. Mais uma vez, o Latim poderia ser hipoteticamente considerado como instrumento geral de verbalização, mas não se encontraram parofonias razoavelmente adaptadas aos traços heráldicos disponíveis.

Começamos o nosso trabalho com um hidrónimo artificial, construído por uma antigo Rei de Judá: o Túnel de Ezequias. Transfere água da Fonte de Gião para a Piscina de Siloé, atravessando a parte mais antiga da cidade por baixo da terra, já que não existem quaisquer rios ali [5]. Produz-se assim a parofonia Ézéchias (fra. Ezequias) ~ Exequies (fra. exéquias) bizarra associação de uma fonte de vida aos rituais fúnebres.

Relativamente à necessidade de um hidrónimo para a metonimização do referente, não foi algo que tivéssemos proposto à partida dos nossos estudos, mas antes uma evidência inesperada que surgiu após inspeccionarem-se muitos armoriais. Aqui já tínhamos visto o Danúbio no brasão de Sagremor e o rio Itchen nas armas de fantasia de Eduardo o Confessor. Outras representações talvez mostrem com mais eloquência as conexões hidronímicas aos respectivos traços heráldicos. Tal será o caso das armas do Condado de Werdenberg (rio Tobel), do Condado da Borgonha (rio Saône), do Ducado da Baviera (rio Regen) e do Viscondado de Rochechouart (rio Vayres)[6]. Não sabemos ao certo quando e onde tudo começou mas esta aparenta ser uma peculiaridade dos brasões, ainda não detectada em moedas, selos primitivos ou o que quer que seja que tenha precedido a heráldica. Talvez no futuro se possa distinguir melhor a razão para estes hidrónimos aparecerem em tais circunstâncias.

 

Um Funeral Branco

O designante exequies precisa ser transformado em cor ou forma usando o conceito de exéquias, talvez por demais abrangente para desenhar-se de imediato. Acreditamos que esta transformação não foi decidida isoladamente, mas em conjunto com outros níveis semânticos considerados como viáveis pelo criador das armas. Para este fim tem lugar uma metonimização que selecciona apenas a conclusão da ideia contida em “exéquias”, o enterramento e sua representação objectiva - o sepulcro - e logo a sua matéria lítica. Focaliza-se o tema a partir do evento completo até ao pormenor da textura:

exéquias > túmulo > pedra > branca

O branco e o amarelo podem ser considerados como imanências da pedra como já vimos num grande número de espécimes que analisámos. O cinzento, o rosado e o acastanhado também poderiam ser presumidos mas devemo-nos limitar aos códigos cromáticos da heráldica. Talvez o amarelo, em vez do branco fosse considerado como uma escolha alternativa para a lápide que agora vemos. Devemos saber em primeiro lugar quem era o defunto, porque o significado será mais bem percebido na sua completa implementação.

 

Quem é o Defunto?

O contributo deste nível para o significado visual do brasão não se limita ao esmalte. Auxilia, além disso, à definição das linhas fundamentais do enredo heráldico. Os funerais sugerem riquíssimas associações plásticas, a demandar os ritos que terão a sua conclusão na sepultura inferida nestas armas. A ser assim, também suporá um cadáver e um eventual epitáfio, que serão argumento para o próximo nível semântico. Ainda não sabemos o significado do restante mas o conjunto de cruzes poderia bem ser entendido como pertencendo às exéquias, num sentido geral.

Em condições menos restritivas seria possível derivar espontaneamente a individualidade de Cristo do dito cerimonial. Não parece poder haver qualquer dúvida na mentalidade dos cruzados: o funeral de maior significado em Jerusalém seria o que levou Jesus a enterrar. Contudo, as possibilidades semânticas destas armas são tão abundantes que o nome do defunto será declarado num nível próprio a ele dedicado. E seria esta eventualmente a razão porque nunca vemos um escudo pleno de prata como simplificação extrema das armas de Jerusalém: há sempre uma cruz presente.

 

Muito e Pouco Discreto

A nossa percepção metodológica de [ch] como [k] em Ézéchias repete a heterofonia homográfica encontrada em Itchen ~ I chenne. É igualmente possível que os dialectos franceses setentrionais influenciassem os usos linguísticos ou que a pronúncia latina prevalecesse, evitando a palatalização logo desde o início. Desconhecemos em pormenores precisos a articulação e a ortografia do francês em Jerusalém por aquela altura, mas tudo o que precisamos é de algum bom-senso para decidir se as nossas parofonias podem ser admitidas ou não [7].

O índice de discrição é bastante superior ao que nos tínhamos habituado, já que k = 0,60, mas se escutarmos casualmente o som de Ézéchias ~ Exequies, a impressão é de uma similaridade aceitável. Isso explica por que tivemos de considerar a nossa escala de parofonias mais como um índice de admissibilidade do que como uma qualificação progressiva. A dimensão das duas palavras, emparelhadas com cinco elementos fonéticos, certamente não ajuda a diminuir a estimativa: mesmo se aplicarmos a correcção adequada às pequenas extensões, como se fez em Itchen ~ I chenne, esta apenas nos dará um valor ligeiramente inferior: k = 0,56.

Tais discrepâncias na avaliação dos índices de discrição são um facto a que devemos nos habituar, uma vez que se adoptou uma modelização heurística. Somente um modelo físico, baseado na correspondência das características acústicas, poderia produzir um resultado mais satisfatório. Devemos recordar, contudo, que uma boa parte das parofonias está também vinculada à escrita, o que enfraquece de algum modo esta modalidade de aperfeiçoamento.

 

O que se Segue

Quem quer que seja a personalidade falecida, a sua condição manter-se-á na representação armorial. No caso especial de Cristo, num ambiente cristão, não se vê outra alternativa possível que não fosse a ressurreição ao terceiro dia. Devemos então considerar que o enredo acontece entre a Sexta Feira Santa e o Domingo de Páscoa. Isto porém não deverá necessariamente forçar-nos a incluir figurações como as chagas na nossa interpretação. As únicas fontes de inspiração primitivas que se devem considerar são as parofonias resultantes das metonímias do referente. Tudo o mais que se vê nos traços heráldicos, mesmo os complementos mais óbvios, não as devem contradizer.

Vale a pena, por fim, mencionar a importância atribuída ao Santo Sepulcro na época medieval, um dos motivos principais da conquista de Jerusalém. Godofredo de Bulhão, o primeiro soberano dos cruzados, foi declarado Protector do Santo Sepulcro e enterrado naquela Igreja, que assistiu a coroações e outros eventos da realeza depois disso. Será possível associar Jesus às exéquias estipuladas pelo esmalte? É o que veremos a seguir.

 

[1] DE VRIES, Hubert - Jerusalem - De Rode Leeuw - 2011 : Acedido a 23 de Setembro de 2012, disponível aqui.

[2] PARISIENSIS, Matthaei; MADDEN, Frederic (ed.) - Historia Anglorum - Londres: Longman, 1866-1869 : Acedido a 23 de Setembro de 2012, disponível aqui.

[3] PARISIENSIS, Matthaei - Historia Anglorum - (manuscrito), 1250-1259 : Acedido a 23 de Setembro de 2012, disponível aqui.

[4] WIELAND, Simon; RUTTEN, Lars; BEYELER, Markus - Medieval and Modern Coin Search Engine - mcsearch.info - 2012 : Acedido a 23 de Setembro de 2012, disponível aqui.

[5] CITY OF DAVID - Hezekiah’s Tunnel - (vídeo), s. d. : Acedido a 23 de Setembro de 2012, disponível aqui.

[6] DA FONTE, Carlos - Semântica Primitiva das Armas Nacionais e alguns dos seus Aspectos Sintácticos e Pragmáticos - Porto: FEUP, 2009 : Acedido a 23 de Setembro de 2012, disponível aqui.

[7] BETTENS, Olivier - Chantez-vous Français? - 1996-2012 : Acedido a 23 de Setembro de 2012, disponível aqui.

 

 Reis de Jerusalém - Prata

Reis de Jerusalém (I)

Classificação Descrição
Armas de Domínio R Reis de Jerusalém
Hidrónimo M Túnel de Ezequias
Língua de Conquista V Francês
Denominante A Ézéchias
Grafemização A  É  |  Z  |  É  |  C  |  H  |  I  |  A  |  S 
Fonemização denominante A  e  |  z  |  e  |  k  |  iA 
Emparelhamento A  e  |  z  |  e  |  k  |  iA 
A  E  | gz |  e  |  k  |  i 
Coeficiente de transposição A 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 
Coeficiente de carácter A 0,5 | 0,5 | 0,0 | 0,0 | 0,5 
Coeficiente de posição A 1,5 | 1,0 | 0,0 | 0,0 | 0,5 
Parcelas A 0,8 | 0,5 | 0,0 | 0,0 | 0,3 
Índice de discrição A k = 0,60
Heterofonia homográfica A (Ézé)ch(ias) > [(eze)S(iA)]
A (Ézé)ch(ias) > [(eze)k(iA)]
Fonemização designante A  E  |  gz  |  e  |  k  |  i 
Grafemização A E | X | E | Q | U | I | E | S
Designante A exequies
Outros substantivos E exéquias
Monossemia simples S prata
S exequies
Metonímia simples S exéquias > túmulo > pedra > branca
Esmalte H esbranquiçado De prata
Imanência C pedra
Contraste C ouro
Número H uma
Figuração H cruz
Aspecto H potenteia
Esmalte H de ouro
Localização H cantonada de
Número H quatro
Figuração H cruzetas
Esmalte H do mesmo

(próximo artigo nesta série II/XII)



Publicado por 5x11 - Carlos da Fonte às 19:05
Link do Artigo | Comentar | Favorito
| | Partilhar
Sexta-feira, 7 de Setembro de 2012

Eduardo o Confessor: Esmalte Azul

 Eduardo o Confessor - Armas de Fantasia

 

O Rio de Winchester

O quinto nível semântico presente nas armas de Santo Eduardo o Confessor repete a inspiração geográfica da metonímia do referente que o antecedeu: Wincestrin. Além da alusão directa a Winchester podemos agora observar a representação verbal do seu rio Itchen. Similarmente, numa análise anterior, tínhamos aplicado o rio Danúbio como contiguidade de Sagremor e Buda. Não foi possível encontrar o nome anglo-normando para este hidrónimo, usámos portanto o equivalente em Inglês como denominante. Na verdade, nem sequer sabemos se existiu qualquer palavra específica naquela língua mas, aparentemente, não seria muito diferente de Itchen.

Entretanto, a segunda parte da nossa parofonia, o designante, continua a usar o anglo-normando. A este género de combinação chamamos hibridização linguística. Para as parofonias resulta frequentemente do desconhecimento sobre a forma de expressarem-se ambos os componentes adoptando-se apenas uma língua, como neste caso. Também podem aparecer com termos locais que sobrevivam no vocabulário de uma lingua franca. Em português, por exemplo, surgem palavras góticas e árabes simultaneamente com o latim de modo a construirem designantes.

 

A Etapa de Acomodação

A parofonia actual constrói-se com Itchen ~ I chenne (ano. uma canada), o último componente carecendo de ser ajustado antes de poderem comparar-se os seus fonemas com os do denominante. Uma primeira metonímia diverge a partir do grafema comum “I”, de reconhecimento simples, além disso sustentado por outras ocorrências na nossa investigação. É responsável pela transformação da letra i no numeral romano que vale um.

I(chenne) < I (letra i) < I

I (chenne) < I (número 1) < I

Além disso, assinalamos o uso de um par de grafemas, ch”, com duas expressões possíveis, adoptadas convenientemente para auxiliar à parofonia. Em primeiro lugar quando Itchen deve ser comparado com a fonemização similar de chenne, em que ch soa como [S]. Em segundo lugar quando se constrói o significado e necessitamos da palavra que significa uma canada, ou seja, chenne, e ch soa agora como [k], como outras formas conhecidas - cane ou canne - muito próximas ou iguais à pronúncia actual em francês. Um exemplo semelhante vê-se nas armas dos primeiros reis de Portugal para a sua capital Coimbra. De modo a denotar que o mesmo grupo de letras configura sonoridades distintas baptizámos este fenómeno recorrente como heterofonia homográfica.

ch(enne) > [k(@n)]

ch(enne) < [S(@n)]

 

Uma Fórmula Especial

Concluídos a acomodação e o emparelhamento calculámos também o índice de discrição, k = 0,19. Este procedimento teve de recorrer a uma fórmula mais extensa, aplicada para compensar o escasso número de fonemas e consequente desequilíbrio (ver Fórmula 3.1 à p. 51 na dissertação). Desse modo levou-se em conta adicionalmente o número total de transformações (j = 1) divido pelo quadrado do valor máximo entre o denominante e designante, max (D, d)2 = max (4, 4)2 = (4)2 = 16. Subtraiu-se portanto 1/16 = 0,0625 da nossa fórmula principal para obter 0,250 - 0,0625 e o valor de k = 0,19.

 

A Canada Vazia

Uma segunda metonímia justificará o azul do enredo heráldico das armas de Santo Eduardo. Já tínhamos mencionado que a aplicação do referido esmalte não era compatível com um céu, pelo menos neste brasão. É certo que cruzes e pássaros ajustar-se-iam com perfeição a este pano de fundo mas relembramos que as merletas não voam no escudo de Santo Eduardo. Sabemos ainda que o azul representa a água na heráldica, contudo cinco merletas a flutuar em torno de uma cruz que se afunda parece ser uma conceptualização algo inadequada. Qual a alternativa?

O designante chenne (ano. canada) era também entendido como medida de capacidade para líquidos, sentido reforçado pelo numeral romano I que o precede. Uma medida largamente utilizada com água, vinho e eventualmente com sólidos a granel. A próxima transformação recorre ao que quer que seja que estivesse a ser medido como ideia determinante, em vez do contentor propriamente dito. De um modo parecido dizemos: Bebi um copo de leite em vez de Bebi o conteúdo de um copo de leite. Mas o conteúdo de que falamos é efectivamente água por algumas boas razões.

 

Uma Água muito Particular

A motivação mais óbvia para o azul é que este reproduz a cor da água heráldica, assim como o esmalte púrpura seria o mais natural para o vinho, o prata para o leite e assim por diante. Em segundo lugar, a quantidade relativamente pequena de uma canada seria apenas suficiente para molhar o campo, permitindo que os pássaros e a cruz fossem suportados pelo chão. A água, em terceiro lugar, embora representada através do azul, entende-se como transparente e se aplicada sobre o todo este permaneceria imaculadamente limpo. Em quarto lugar poderíamos dizer que este designante, à partida,  também representa um rio, e não é necessário acrescentar de se constitui. Finalmente, devemos responder à pergunta - Que espécie de líquido seria suficientemente respeitável para acompanhar as cinco aves que representam a santidade de Eduardo e o símbolo do próprio Cristo? Não deveria prejudicar, empanar ou, de qualquer outro, modo dessacralizar o enredo que já temos organizado.

A resposta não poderia ser outra senão a água benta, em perfeita associação com o bando de aves e com a cruz. Observe-se, incidentalmente que é de hábito aspergida, talvez a significar que se estenda sobre as figurações, se ainda considerarmos a mencionada transparência. Note-se que a expressão em anglo-normando é euwe benette, mas pode-se admitir facilmente para o fim do século XIV que o inglês pudesse afectar a metonímia. Repare-se que tal não seria mesmo estritamente necessário, devido à significativa ambientação religiosa do brasão. Sem dúvida o todo é influenciado pelo estatuto de Eduardo como santo. Formalmente, trata-se de mais uma metonimização convergente:

Eduardo > Santo Eduardo > santo (ing. holy)

uma canada > conteúdo > água benta (ing. holy water)

 

O Esmalte Azul

Necessitamos ademais de justificar a convenção azul para a água. A percepção desta cor nas extensões pouco profundas considera-se como causada pela reflexão e dispersão da luz do céu, o que não se adaptaria bem a uma generalização. Para mais o mar é intrinsecamente azul mesmo durante as tempestades, quando os céus mostram-se acinzentados. Este azul apresenta-se quase imperceptível na neve e no gelo, mas tudo resulta do mesmo fenómeno físico. Provavelmente foram estas as tonalidades de azul que inspiraram a heráldica e muitas outras representações da água. De qualquer modo, o oceano é a mais poderosa, extensa e majestosa manifestação aquática, e o mecanismo de sublimação surge também para tingir qualquer forma ou quantidade de água com a cor azul; uma metonímia convergente tripla:

mar > azulado

água do mar > azulada

qualquer água > azulada

Deveríamos terminar aqui os nossos comentários sobre as armas de Santo Eduardo o Confessor, mas encontramos há pouco um sexto nível semântico. Assim esta série não acabará hoje como referimos antes. Felizmente este nível não prejudica a sequência de apresentação dos cinco anteriores; trata-se mais de um complemento que considera tudo o que já dissemos.

 

 Eduardo o Confessor - Azul

Eduardo o Confessor - Armas de Fantasia (V)

Classificação Descrição
Armas de Fantasia R Eduardo o Confessor
Hidrónimo M Rio Itchen
Hibridização Linguística V Inglês ~ Anglo-Normando
Denominante A Itchen
Grafemização A  I  |  T  |  C  |  H  |  E  |  N 
Fonemização denominante A i  |  tS  |  @  |  n
Emparelhamento A i  |  tS  |  @  |  n
A i  |  S  |  @  |  n
Coeficiente de transposição A 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 
Coeficiente de carácter A 0,0 | 0,5 | 0,0 | 0,0 
Coeficiente de posição A 0,0 | 1,0 | 0,0 | 0,0 
Parcelas A 0,0 | 0,5 | 0,0 | 0,0 
Índice de discrição A k = 0,19
Heterofonia homográfica A ch(enne) > [k(@n)]
A ch(enne) > [S(@n)]
Fonemização designante A i | S | @ | n
Grafemização A I | | C | H | E | N | N | E
Designante A I chenne
Outros substantivos E une chenne
Metonímia divergente S I(chenne) > I (letra i) > I
S I (chenne) < I (número 1) < I
Monossemia simples S azul
S I chenne
Metonímia convergente S Eduardo > Santo Eduardo > santo (holy)
S 1 canada > conteúdo > água benta (holy water)
Esmalte H azulada De azul
Imanência C água
Contraste C ouro
Metonímia convergente, Sublimação S mar > azulado
S água do mar > azulada
S qualquer água > azulada
Número H uma
Figuração H cruz
Aspecto H florenciada
Esmalte H em ouro
Localização H acantonada de
Número H quatro
Figuração H merletas
Conectivo H e
Número H mais outra
Localização H em ponta
Número H todas
Esmalte H do mesmo

(próximo artigo nesta série VI/VI)



Publicado por 5x11 - Carlos da Fonte às 16:09
Link do Artigo | Comentar | Favorito
| | Partilhar
Sábado, 7 de Julho de 2012

Sagremor: Cantão de Prata

Sagremor - Armas de Fantasia

 

Continuaremos a caracterizar as armas de Sagremor neste terceiro plano semântico. Estabelecidas as coordenadas húngaras das metonímias referentes, é natural que se continue pelo mesmo tom, obedecendo à restrita tipologia definida nos quase dois mil traços heráldicos já investigados. Para Sagremor encontrámos num  primeiro nível semântico a metonimização do seu referente em território, em gentílico no segundo e finalmente em hidrónimo no que iremos desenvolver a seguir.

Continuando com a expressão verbalizante em latim, achamo-nos desta vez perante o majestoso rio de Budapeste, o denominante Danubius (lat. Danúbio). Resulta num índice de discrição bastante favorável, k = 0,14, parófono ao designante da (lat. diz) nubis (lat. nuvem). Ressaltamos tomar-se iu em Danubius como ditongo, porque este i é breve, figurando assim numa única célula a emparelhar com o outro i de nubis. Note-se que a contagem do número máximo de fonemas alterou-se de oito para sete por este motivo. O verbo do (lat. dar) possui um grande número de acepções, das quais algumas poderiam ser usadas no contexto. Pensamos, contudo, que a forma imperativa da segunda pessoa é a mais adequada, com o sentido de “Diz!” ou Explica!.

Danubius ~ Da nubis produz uma monossemia simples, já que é responsável pelo cantão em prata. É bem verdade que a alteração do esmalte da estrela correspondente de ouro em negro também lhe será imputada, mas como consequência secundária da sematização dos traços heráldicos pré-definidos. Como no nível precedente há metonímia redundante: diz não está associado a qualquer traço heráldico mas à própria função parofónica do escudo pelas contiguidades diz > falante > armas falantes, o que de facto são. O segundo termo, nubis, não deixa qualquer lugar a dúvidas, seja pelo sentido, seja pela complementaridade ao que se tinha já averiguado. Definido que estava o tema estelar, nada mais apropriado do que este fenómeno meteorológico para conjugar uma belíssima ordenação heráldica.

A nuvem é branca, convenientemente, e esconde a luz ao “passar” em frente a uma das estrelas, transformando o seu esmalte dourado. Assinalamos, pois, o fenómeno sematizante de oposição entre a luz e a obscuridade. Ademais, a estrela solitária vai colocar-se exactamente no centro do cantão, a condicionar o posicionamento das outras duas, como referido. Percebe-se com clareza a exigência do processo iterativo na génese destes brasonamentos medievais. Não seria possível definir o arranjo das estrelas e da nuvem em duas construções estanques e independentes. O brasonamento estabelece ainda que a estrela deve achar-se sobre o cantão, apesar da semântica demandar o inverso, fazendo-nos entender que nem sempre a descrição expressiva formal será um guia mais adequado para a compreensão do conteúdo subjacente. Creio que será esta a dificuldade capital para que a ciência heráldica liberte-se das interpretações convencionalizadas pelas normativas tardias.

Segundo parece, simboliza-se no desenho outra característica imanente às nuvens, o movimento, talvez em simultâneo com o fenómeno de complementação dos traços heráldicos. A nebulosidade não poderia ocupar todo o campo do brasão: perderia muito da sua força expressiva. Excluímos assim de todo a obstrução das três estrelas. Só a oposição amarelo × negro permite vislumbrar com clareza o enredo que se procura representar. A ocupar apenas um pedaço do campo, um farrapo de nuvem apresta-se a ocultar apenas uma estrela, também no primeiro cantão do esquartelado, como é hábito, aliás, nos brasonamentos. Ao mesmo tempo esta localização provoca o desequilíbrio visual pela assimetria dos espaços cromáticos. O desequilíbrio traduz-se em movimento e vai contribuir à semântica através de outra metonímia: nuvem > movimento > desequilíbrio > assimetria. A opção de usar-se, por exemplo, um contrachefe em branco, deixaria a desejar pela estabilidade implícita.

 

 


Sagremor - Armas de Fantasia (III)

Classificação Descrição
Armas de Fantasia R Sagremor
Hidrónimo M Danúbio
Língua de Fantasia V Danubius (latim)
Denominante A Danubius
Grafemização A  D  |  A  |  N  |  U  |  B  |  I  |  U  |  S 
Fonemização denominante A d  |  a  |  n  |  u  |  b  |  iu |  s 
Emparelhamento A d  |  a  |  n  |  u  |  b  |  iu |  s 
A d  |  a  |  n  |  u  |  b  |  i |  s 
Coeficiente de transposição A 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0
Coeficiente de carácter A 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,5 | 0,0
Coeficiente de posição A 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 1,0 | 0,0
Parcelas A 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,0 | 0,5 | 0,0
Índice de discrição A k = 0,14
Fonemização designante A d | a |   | n | u | b | i | s
Grafemização A D | A |   | N | U | B | I | S
Designante A da | nubis
Acção + Meteorologia E diz + nuvem
Redundância, metonímia simples S diz › falante › arma falante
S diz
Monossemia simples S cantão
S nuvem
Esmalte H De vermelho
Número H 1 um
Separação H farrapo cantão
Imanência C nuvem
Localização C primeiro quartel
Simetria C assimétrico
Metonímia simples S nuvem › móvel › desequilíbrio › assimetria
Esmalte H esbranquiçada de prata
Imanência C nuvem
Contraste C vermelho, negro
Conectivo H cantão + estrelas e
Número H três
Figuração H estrelas de cinco pontas
Número H duas
Esmalte H de ouro
Conectivo H estrelas + estrela e
Número H 1 uma
Figuração H 5 pontas (estrela)
Preenchimento C área do cantão
Simetria C eixo vertical do cantão
Centralidade C diagonais do cantão
Esmalte H obstrução de negro
Imanência C nuvem
Contraste C prata
Oposição S luz × obscuridade
Localização H debaixo da nuvem no cantão

(próximo artigo nesta série III/III)



Publicado por 5x11 - Carlos da Fonte às 13:56
Link do Artigo | Comentar | Favorito
| | Partilhar

Todos os direitos reservados
© Carlos Carvalho da Fonte 2009-2017
Portugal Brasil Download Universo Amostral Jerusalem
Portucalis Portingale Salerno Sagremor Eduardo


Logo Território Logo Hidrónimo Logo Capital Logo Moradia
Logo Demónimo Logo Família Logo Antropónimo Autor

Pesquisar este blogue

 

Academia.edu



Twitter


Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
19
20

21
22
24
25
26
27

28
29
30
31


Temática

alemão

análise

anglo-normando

antropónimos

aparência falante

apresentação

aragonês

armas falantes

asturiano

baixo-alemão

basco

bibliografia

brasil

capitais

castelhano

catalão

cifra

condições

d. manuel i

demónimos

dinastia

discussão

disposições

domínio

eclesiástico

eduardo

empresa

esmaltes

estoniano

eventos

família

fantasia

figurações

francês

frísio

gaélico escocês

galego

gascão

grego

hidrónimos

holandês

inglês

irlandês

italiano

jerusalém

latim

leão

leonês

lígure

lombardo

macau

metodologia

moradias

municípios

nível falante

número

occitano

picardo

placentino

portugal

português

recursos

sagremor

salerno

separações

sigilografia

terminologia

territórios

timbre

universo amostral

vexilologia

todas as tags

Arquivo Mensal

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011


cyndis list


blogs SAPO

subscrever feeds

shopify analytics tool